EconPapers    
Economics at your fingertips  
 

PREFERENCIAS DO CONSUMIDOR DE MEL NA REGIÃO DE BRAGANÇA, PORTUGAL

Maria ISABEL BARREIRO Ribeiro (), António JOSÉ GONÇALVES Fernandes () and Francisco JOSÉ LOPES de Sousa Diniz ()
Additional contact information
Maria ISABEL BARREIRO Ribeiro: Doutorada em Economia pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real, Portugal. Professora Adjunta da Escola Superior Agrária, Instituto Politécnico de Bragança, Portugal. Coordenadora do Departamento de Ciências Sociais e Exatas, Escola Superior Agrária, Instituto Politécnico de Bragança, Portugal. Campus de santa Apolónia, 5300-253 Bragança. Investigadora integrada do Centro de Estudos Transdisciplinares para o Desenvolvimento, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real, Portugal. Edifício ECHS – Pólo II, Quinta de Prados, 5001-801 Vila Real.
António JOSÉ GONÇALVES Fernandes: Doutorado em Gestão pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real, Portugal. Professor Adjunto da Escola Superior Agrária, Instituto Politécnico de Bragança, Portugal. Vice-coordenador do Departamento de Ciências Sociais e Exatas, Escola Superior Agrária, Instituto Politécnico de Bragança, Portugal. Campus de santa Apolónia, 5300-253 Bragança. Investigador integrado do Centro de Estudos Transdisciplinares para o Desenvolvimento, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real, Portugal. Edifício ECHS – Pólo II, Quinta de Prados, 5001-801 Vila Real.
Francisco JOSÉ LOPES de Sousa Diniz: Doutorado em Economia pela Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real, Portugal. Centro de Estudos Transdisciplinares para o Desenvolvimento, Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro, Vila Real, Portugal. Edifício ECHS – Pólo II, Quinta de Prados, 5001-801 Vila Real.

Investigación en Ciencia Regional, 2017, vol. VIII, issue 1, 77-93

Abstract: As propriedades medicinais, terapêuticas, dietéticas e nutricionais do mel são responsáveis pelo aumento do consumo deste produto. Este trabalho pretende compreender traçar o perfil do consumidor do mel e descrever os hábitos de compra e consumo no distrito de Bragança. Para este fim, foi realizado um estudo quantitativo, observacional, transversal e analítico. Para a recolha de dados, que decorreu em de março a maio de 2016, utilizou-se um questionário administrado a consumidores de Bragança, cidade localizada no nordeste de Portugal. Foi recolhida uma amostra acidental de 474 indivíduos (57,1% do género masculino e 42,9% do género feminino), com idades compreendidas entre os 18 e 99 anos. Para efetuar o tratamento estatístico dos dados recorreu-se ao software SPSS 23.0. A maioria dos consumidores de mel tinha idade compreendida entre 25 e 64 anos, era do género feminino, era trabalhador, tinha habilitações literárias ao nível do ensino superior, vivia em agregados familiares de 4 pessoas com um rendimento mensal até 999 euros em ambiente urbano. Verificou-se que o perfil do consumidor de mel era, estatisticamente, diferente daqueles que não consomem mel quanto à situação profissional e ao rendimento mensal do agregado familiar. Relativamente à situação profissional, os trabalhadores consomem mais mel que os desempregados. Quanto ao rendimento mensal do agregado familiar, verificou-se que quem mais consome mel são aqueles que auferem rendimentos entre 1000 e 1499 euros. Os indivíduos que auferem rendimentos entre 1500 e 1999 euros consomem menos mel. Relativamente aos hábitos de consumo, verificou-se que a maioria dos inquiridos era consumidora de mel. Dos 399 inquiridos que consumiam mel, a maioria preferia consumir mel de origem nacional no Outono/Inverno uma vez por semana ou uma vez por mês misturado com outros alimentos ou utilizado como remédio quando estão doentes. A preferência pelo mel nacional é explicada por fatores como a qualidade, o contributo para o desenvolvimento da economia regional, a confiabilidade e a proximidade. De facto, o mel é adquirido, com frequência, junto do produtor. Trata-se de um produto que, na opinião da maioria dos consumidores de mel, não é supérfluo, não é caro nem barato, sendo o preço justo, em média, 3,9 euros por quilograma. Os consumidores de mel preferiram as embalagens com maior capacidade (0,5 e 1 Kg), de preferência frascos em vidro devidamente rotulados.

Keywords: Consumidores; Mel; Bragança; Portugal (search for similar items in EconPapers)
Date: 2017
References: Add references at CitEc
Citations Track citations by RSS feed

Downloads: (external link)
http://www.rsijournal.eu/FOREIGN/SPAIN/ICR_2017.pdf (application/pdf)

Related works:
This item may be available elsewhere in EconPapers: Search for items with the same title.

Export reference: BibTeX RIS (EndNote, ProCite, RefMan) HTML/Text

Persistent link: https://EconPapers.repec.org/RePEc:hrs:jrnicr:v:viii:y:2017:i:1:p:77-93

Access Statistics for this article

Investigación en Ciencia Regional is currently edited by Dr Christos Ap. Ladias

More articles in Investigación en Ciencia Regional from Hellenic Association of Regional Scientists
Series data maintained by Dimitrios K. Kouzas ().

 
Page updated 2018-01-09
Handle: RePEc:hrs:jrnicr:v:viii:y:2017:i:1:p:77-93