EconPapers    
Economics at your fingertips  
 

Desigualdades de gênero em tempo de trabalho pago e não pago no Brasil, 2013

Luana Pinheiro and Marcelo Medeiros
Authors registered in the RePEc Author Service: Marcelo C. Medeiros () and Marcelo Medeiros ()

No 2214, Discussion Papers from Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA

Abstract: Avalia-se a desigualdade de gênero no uso do tempo para trabalho no Brasil dividindo-se o tempo total de trabalho em trabalho pago (mercado) e não pago (doméstico) a partir de dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (Pnad) 2013. Conclui-se que há muita desigualdade dentro do grupo dos homens, bem como dentro do grupo das mulheres. A maior parte da desigualdade dentro desses grupos está associada à polarização entre trabalhar ou não. Os trabalhos femininos, pago e não pago, são os que mais contribuem para a desigualdade total na sociedade. O trabalho doméstico masculino não é frequente e por isso contribui pouco para a desigualdade. Os principais determinantes do diferencial de gênero na duração das jornadas de trabalho são a proporção de pessoas que fazem trabalho pago e a duração do trabalho não pago. A divisão sexual do trabalho não é caracterizada por um espelhamento de atividades e, por isso, as mulheres invariavelmente trabalham mais que os homens, mesmo quando as desigualdades dentro dos grupos são consideradas. We examine gender inequalies in time use in Brazil by decomposing the total time employed in work in paid (market) and unpaid work (domestic). Data comes from the 2013 National Household Survey, Pnad. We found large inequalities within the subgroups of men and women. Most inequality within these groups is related to the polarization between working or not. Female work, both paid and unpaid, is what contributes more to total inequality in society. The domestic work of men is not common and, as a consequence, contributes little to total inequality. The main determinants of the gender differential in working hours are the proportion of people who do some paid work and the duration of unpaid work. The sexual division of labor is not characterized by a mirroring of activities. Therefore, women invariably work more than men, even when within group inequalities are taken into account.

New Economics Papers: this item is included in nep-hme
Date: 2016-07
References: Add references at CitEc
Citations: Track citations by RSS feed

Downloads: (external link)
http://www.ipea.gov.br/portal/images/stories/PDFs/TDs/tda_2214.pdf

Related works:
This item may be available elsewhere in EconPapers: Search for items with the same title.

Export reference: BibTeX RIS (EndNote, ProCite, RefMan) HTML/Text

Persistent link: https://EconPapers.repec.org/RePEc:ipe:ipetds:2214

Access Statistics for this paper

More papers in Discussion Papers from Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada - IPEA Contact information at EDIRC.
Bibliographic data for series maintained by Fabio Schiavinatto ().

 
Page updated 2019-10-17
Handle: RePEc:ipe:ipetds:2214